Analise Semanal: Concrete Revolution ll #01 e #02




Em seu primeiro cour ,Revolution foi um show ambicioso, mas intrigante. Ele fez para alguns flashy televisão, divertido, mas os espectadores frequentemente deixados coçando a cabeça sobre o que realmente estava acontecendo, e acima de tudo, o que tudo aquilo significava . Então, em seus dois últimos episódios, Concrete Revolutio caiu várias bombas, respondendo a maioria (mas não todas) das questões pententes da série. Enquanto o show ainda introduziu muitas novas ideias e deixou outras importantes pendurado, foi um golpe de um final. Ele usa bem a Round 2, que já faz o melhor daquele poderoso conclusão.

Os dois primeiros episódios de Revolution: The Last Song, especialmente o segundo, são mais coesa do que quase todos os temporada 1. O primeiro concentra-se em um dos melhores personagens da série: Raito Shiba, o robô-com-a-humanidade consciência que formou o núcleo de uma das parcelas mais fortes da primeira temporada(episódio 3)mas o melhor ainda é o Jiro. Esse episódio bateu em universal preocupações  humanas,o desejo de criar nossos próprios destinos para além da nossa "programação" social -em uma forma que Concret Revolutio não tem em quando, devido à sua insistência em meandros profundas sobre temas da atualidade mais complexos. Foi bom para ver o anime remeter para essa semana como ele se transforma de volta para idéias mais universais.

Episódio 14 ou episodio 01 nos mostra como Raito Shiba uniu-se e, em seguida, abandonou o Bureau sobre-humano para se juntar com Jiro. Ele responde a algumas questões remanescentes de tão longe para trás como os primeiros episódios, como por que o cabelo na década de 1970(essas datas ainda me são confusas) é loiro em vez de verde. (É um resultado de tomar partes de Washizu, um astronauta robô cowboy de uma raça chamada S Planetarians.) Washizu possui a fé absoluta no Estado de direito que Shiba acostumava ter, o que ajuda Shiba descobrir por que ele não pode mais trabalhar para esta versão muito mais questionável da Mesa,ou seja ele começou a se auto-questionar e e ter ideias contraditorias que por um lado antes ele acretitava cegamene em sua justiça e que todo o super-humano que fosse contra a lei era o mal,ele agora tinha suas duvidas. Shiba mesmo literalmente chama Washizu "meu eu do passado, quando eu não tinha perguntas." Depois que ele é derrotado no final do episódio, Shiba traz esse seu auto-passadoao seu auto-presente, muito literalmente, como ele finalmente se afasta da Mesa central.

"Trazer os seus antigos adversários para dentro de si" é um tema que se repete para os principais personagens nestes episódios, como nós descobrimos o mesmo aconteceu por Jiro. Perto do final do episódio 14, Washizu menciona que há Fumers (raça do 
Chefe Bureau  de forma gasososa estrangeiros,parasitas de do corpos) dentro Jiro, mas que não tem controle total sobre ele. Jiro ainda é maioritariamente mantem o controle de si mesmo. O seguinte episódio revela como isso aconteceu: Jiro conseguiu pegar os Fumers atrás de um novo museu comemorando super-humanos, na forma do político japonês Chefe agora que os Fumers Habitavam.A  batalha acontece e Jiro derrota os outros dois Fumers, que não podem sobreviver sem um cadáver para animar. Acontece que essa era a intenção do chefe o tempo todo: ele desenvolveu uma afeição por seres humanos e super-humanos, e não quer mais dominá-los como os Fumers tinha planejado. Seus colegas não concordam. Todos os três vão para corpo vivo de Jiro em sua forma enfraquecida, para ajudá-lo ganhar o controle sobre seu poder "kaiju". O chefe age como um conselheiro para Jiro no episódio 15, como ele mesmo diz que ele está perdendo sua consciência independente.

Como os arquitetos por trás a maior parte da última temporada agora  estão morrendo (ou, pelo menos, é isso que o chefe levou-nos a acreditar), este é um admirável mundo novo para Revolution. Ele coloca o poder nas mãos de seus protagonistas para forjar seus próprios novos destinos,e poder controlar seu proprio poder que era algo que ele ja era capaz mas nunca se deu conta ao que parece. Este é promissor, agora que a série é centrada em atividades de pós do Jiro, tornando-o ainda mais do centro da história do que ele já estava na primeira temporada. Isso faz com que esta história estofada, fique muito mais forte, embora ainda destaca como subdesenvolvida o resto da série para alguns (numerosos) personagens. Isto é especialmente verdade com os nossos dois principais personagens femininas, EMI e Kikko,(torço para a Emi alias) que não recebem o mais certo desenvolvimento netes dois episodios. "Bastidores" de Kikko foi uma bagunça na temporada passada, mas pelo menos há esperança de que Emi poderia obter uma explicação detalhada de seu caráter e motivações mais tarde. Como esta nova série tem provado até agora, Revolutio tem um dom para desenho em episódios antigos de respostas tardias às perguntas persistentes mais antigas.

Claro, isso ainda deixa-lo em nós, para manter constantemente a par de quem todo mundo é, um dos aspectos mais frustrantes desta mostra . Esta é outra consequência de seu elenco enorme, uma vez que não existem backstories são muitas vezes desnecessariamente complicado, sem ganchos emocionais. Felizmente, estes dois episódios sugerem a série está a trabalhar nesse último problema. A história de Shiba faz muito para lembrar o visor de por que gostava tanto dele na primeira vez, e episódio 15 desenvolve e se solidariza um dos menores antagonistas da última temporada.

As "Angel Stars" eram um grupo sobre-humano de meninas, sob o controle cuidadoso dos anúncios Imperial, a empresa que serviu como um espinho constante no lado do Super-humanos. Anúncios imperiais era pró-sobre-humana, mas principalmente para seus próprios interesses comerciais, e que muitas vezes se levantou contra o o escritorio através do apoio a protestos estudantis e desencadeando, o kaiju sobre a população. Agora, no início de 1970, as suas queridas Angel Stars parecem ter sido desonestas. Um ex-membro, Aki (conhecido como  "Arachne" no grupo), está matando super-humanos alienígenas em busca de algo dentro deles. Seus antigos companheiros de banda correram em seu socorro, pedindo Jiro para protegê-la do escritorio super-humano, que a identificou como sua principal suspeito e quer prendê-la.

Jiro faz isso, e no processo, ele e o público aprendem muito sobre esta menina que parece bastante "perdida".As angel stars nunca tiveram motivações reais  próprias; eles apenas fizeram o que foi dito. Jiro sugere que se afastar dos anúncios imperiais era a sua missão de "encontrar sua própria justiça", mas Aki ri disso, dando uma breve história das guerras do Japão para a justiça para mostrar o que um ideal "justiça" subjetiva e ilusória realmente é. (. Em outras palavras, ela basicamente resume o ponto da série até agora) Enquanto ela admirava super-humanos, como arco-íris Knight como uma menina, Aki segue agora metas mais pessoais: o amor.

Ela estava em um relacionamento com uma das outras meninas da banda, chamada Fanny, que misteriosamente morreu alguns anos antes(parece ter sido um suicidio ao que tudo aponta o escritorio acredita que foi um suicídio, trazendo à mente a velha tradição de lésbicas "suicídias mútuos" em mangá yuri, especialmente considerando a reação de Aki.) Aki insiste que ela ainda está em algum lugar "nas estrelas", e quer acessar o poder de os Fumers, que ela procurou nestes assassinatos a fim de seguir Fanny lá. Fanny  é "livre" de uma forma que Aki nunca pode ser, enquanto ela permanece na Terra, como ela está constantemente deslocada entre as coisas diferentes que todas essas forças dos 
anúncios imperiais , as forças de segurança pública, o departamento e, agora, Jiro quer para os super-humanos. Ela quer traçar seu próprio caminho, mas mesmo fora de uma gestão cuidadosa das angel stars, o mundo ainda a impede de fazer isso.

Eu admirava a forma do anime de configurar e revelar sobre o passado de Aki. Quando Kiko e EMI perguntam aos anúncios imperiais sobre Aki, e eles dizem que ela é uma ex-membro do grupo, que foi forçado a sair por causa de um "escândalo", temos outra visão na ingenuidade de Kikko, uma vez que Emi deve explicar-lhe que "escândalo" é um código para "algo que envolve um homem." Quando ela exprime isso, porém, o gerente diz que "não é necessariamente um homem". Não é exatamente sutil, mas eu gosto de como ele mostra que mesmo a atitude mundana de Emi esconde uma perspectiva limitada. Nós vimos outras dicas nesse sentido ao longo da série, e espero, que isso é algo que a série explora ainda mais quando (se) Emi receber sua própria história de fundo.

Concrete Revolution também foi bom em trabalhar em revelações Aki e Jiro de uns aos outros sobre seus passados. Ambos eram necessários para o confronto final, onde Aki percebe que Jiro é a pessoa que está procurando e eles lutam.  senti empurrado para dentro do script. Pois fluiu naturalmente a partir da conversa anterior de  Aki e Jiro . Isso é uma verdadeira conquista para esse anime, que muitas vezes luta com diálogo realista/som em seu esforço para entregar tantos sermões sobre justiça e do 1960-70 situação política (ou qualquer que
 passa a ser e seja o tema ). Mesmo em seus episódios mais fortes. Episódio 15 finalmente clareou este obstáculo, o que sugere que Revolution pode finalmente estar transformando-se em algo.

Isso não significa que não existem ainda áreas de melhoria. Teria sido bom se o romance de Aki e Fanny  foram desenvolvidos melhor, ganhando investimento emocional dos telespectadores em vez de apenas servir como um meio para um fim temática. O episódio termina com Aki montando no por do sol com o capacete do arco-íris Knight (um presente de Jiro), juntamente com o resto das meninas do angel star. Não tem a sensação de que nunca vai vê-la novamente, embora  Revolution tem uma maneira de trazer de volta esses tipos de personagens de formas inesperadas. Aki foi principalmente um dispositivo do episodio, e sua história nunca foi o foco, mas não posso deixar de ser curioso sobre o conto mais interessante em torno desse canto, especialmente à luz do subdesenvolvimento da série das personagens femininas. É notável o quanto mais concrete Revolution fez com Aki em um episódio do que os seus dois condutores do sexo feminino em todo os 15 episodios 
passados.

Concrete Revolutio ainda tem muitas das mesmas questões que fez em sua primeira temporada. Felizmente, parece que seus criadores são pelo menos conscientes destes problemas e tentam resolvê-los.O Episódio 15, em particular, foi muito simples, simples e fácil de seguir enquanto ainda profundo e pensativo em uma forma que nunca vimos antes com esta série. Se você gostou das idéias por trás dele, mas foram frustrados com a execução de Revolution , estes dois primeiros episódios pode renovar a sua fé neste anime.

Gostei tambem como mostrou alguns personagens e como mudaram nesses anos como o  Judas,e sua grande mudançã de um ajudante e da Earth que persiguia seus ideais de justiça a um medico clandestino,que parece que será explorado,e que tambem vem fazendo experimentos com sangue do Jiro qual será seu objetivo agora?

Para quem ainda não viu a primeira temporada recomendo pois vale muito a pena pode conferir o enrredo da primeira e segunda aqui,e decidir se quer ver ou não.Ate  o Proximo episodio.

Apreciador da cultura japonesa,de animes,mangas,livros,filmes,e series.
Sou o God do Blogg Otaku Wolrd Land,e seu redator principal. Atualmente um estudante de farmácia . 

compatilhe

Postagens Relacionadas

Postagem Anterior
« Postagem Anterior
Postagem Anterior
Postagem Anterior»