Byousoku 5 Centimeter - Uma verdadeira história de amor



Depois de dar uma procurada na web sobre a obra, descobri que varias pessoas não tinham entendido algumas partes do filme, e como também só encontrei análises técnicas, resolvi escrever eu mesmo. Lembrando que se trata do meu entendimento, mas também gostaria que compartilhassem suas opiniões já que se trata de um filme um pouco mais profundo do que o padrão. 

ALERTA - Este texto contém pequenos spoilers. Caso ainda não tenha assistido recomendo que o veja antes de lê-lo. 

Análise

5 Centimeter não conta a historia de um romance hollywoodiano, onde o desenrolar da trama leva quase sempre a um final feliz, e sim de amores reais, puros e belos, que por varias razões acabam não sem concretizando.

Somos mais de 7 bilhões, cada um com seu jeito, manias e defeitos, e acredito que apenas um ser, entre todos estes, pode ser considerada nossa alma gêmea. Não porque compartilham dos mesmos gostos, ouvem as mesmas musicas, curtem os mesmos doces,  mas sim porque se entendem, se comunicam, se interagem e acima de tudo, se completam.

Por isto amor é belo, mas mais belo ainda é um amor recíproco, um amor complacente, companheiro, que une de corpo e alma. Relação que conseguíamos sentir entre Takaki e Akari no primeiro episódio, principalmente por parte dele. Cada palavra, colocada cuidadosamente em cada frase, de cada carta, nos passava o quão forte era esta ligação, tanto que conseguimos perceber a angústia do protagonista toda vez que ia verificar a caixa de correios.

E todo este amor é provado por parte dele quando o mesmo tenta, em um ato desesperador, de se encontrar com Akari. Foi agonizante ver um jovem rapaz de não mais que 14 anos e com apenas o seu cronograma de viagens, encarar sua longa jornada em meio aos problemas causados pela neve, que aos poucos comprometia as passagens dos trens, apenas para ter uma única noite com sua amada. As cenas ficavam ainda mais tocantes quando focavam em seu relógio...

Mas e Akari?  Ela, solitária e inocente, ainda o esperava em meio a calada noite fria de inverno, acreditando que ele chegaria. Quem por sinal iria conseguir suportar aquela situação? Não havia celular, telefone, ou qualquer meio de comunicação fora as cartas trocadas anteriormente. Quem teria a certeza que o jovem realmente estava vindo, ou que ela o esperaria? Loucura que só um amor verdadeiro poderia de fato superar.

E de fato o encontro aconteceu, e a recompensa também. Mas percebam que por mais que as cenas do encontro sejam tocantes, suas feições não aparecem, por que? Porque simplesmente o sentimento de Akari mudou, tanto que ela não chega a entregar a carta que havia escrito a Takaki. A ambientação também contribui para percebemos isto, já que os cenários são sempre escuros e vazios retratando a solidão do casal.

Se no primeiro conseguimos sentir o quão pura era a relação do casal, no segundo já vemos que a vida começa a tomar outros rumos, pelo menos para um. O protagonista percebe que aquele amor mútuo se torna amor platônico, não correspondido. Isto acontece por conta da distância? Sim, já que também há o desinteresse por parte dela, tanto que a mesma começa a demorar cada vez mais a responder as cartas do protagonista até que se cessam de uma vez, fazendo menção de ela já não o vê com os mesmos olhos de antes.

Mas o amor quando é verdadeiro não morre, não se apaga, não se esquece. Takaki percebi o afastamento de Akari e se entristece, mas continua a olhar para o céu, almejando sua amada por mais distante que este sonho possa parecer, escrevendo em seu celular, que até então não existia, mensagens que nunca foram enviadas retratando palavras que gostaria de dize-la. Este desejo fica ainda mais claro quando as cenas focam em suas costas, retratando o quão longe ele sempre esteve de Sumida e que jamais ela conseguirá alcançar o coração de Takaki.


E por último, o ápice do filme. O amor que Akari sentia quando era jovem ainda existe dentro dela, mas esta fraco, apagado, tanto que só é percebido após ela encontrar a carta do primeiro capítulo, e mesmo assim ela continua seguindo sua vida com seu novo parceiro.  

Já o inverso acontece com o protagonista, que tenta em um último esforço de consertar seu coração, se relacionar com outra mulher. Mas como eu disse acima, tudo que é verdadeiro jamais é substituído, e como ele não pode mentir para si mesmo,lhe restou aceitar o vazio da solidão...

*****
Deixe seu comentário e não esqueça de curtir o OWL no Facebook e de nos seguir no Twitter

Amante de games e animes de magia. Passou a vida travando duras batalhas em Rude Midgard tendo seu irmão monge como companheiro. Acredita que a vida seria mais bela se fosse como um MMORPG.

compatilhe

Postagens Relacionadas

Postagem Anterior
« Postagem Anterior
Postagem Anterior
Postagem Anterior»